Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Corsário e a Ciência

Textos de divulgação científica e reflexões sobre Ecologia da Saúde, à luz da teoria evolutiva ultradarwinista:

O Corsário e a Ciência

Textos de divulgação científica e reflexões sobre Ecologia da Saúde, à luz da teoria evolutiva ultradarwinista:

17.11.13

CORSÁRIOS FAMOSOS DA ECOLOGIA E DA ENTOMOLOGIA com pés em África: Jonathan Majer


Sérvio Pontes Ribeiro

2 – Jonathan Majer - Ia falar de Jonathan, de sua impressionante história na África, e apenas. Sua história é sim fascinante, e foi reportada por ele mesmo a um jornalista recentemente. Sua “corsarisse” principal foi de fato ter sido aluno de Leston, um louco, insano e brilhante entomologista, que cunhou o termo “mosaico de formigas” para explicar as alternâncias de grandes territórios de formigas dominantes no dossel. Tema este futuramente desenvolvido por Jonathan e Delabie, em parte aqui no Brasil, e origem de longo e caloroso debate científico. Mais ainda, de sua parte inicia-se um olhar Corsário ao fazer seu doutorado em Ghana! Seu Ph.D é primariamente um diploma da Universidade de Ghana, com a Chancela do Imperial College, UK! Deve ter sido de fato uma experiência que muda e amplia a visão de um homem, em especial um inglês! Daí talvez tenha surgido seu ímpeto para ir para uma pequena universidade na West Austrália, com pouco ou nenhuma pesquisa quando chegou lá.

 

Da falta de prioridades ou de verbas, talvez tenha também feito Jonathan seu maior triunfo. Na busca da sobrevivência científica gerou toda uma metodologia de bioindicação de qualidade de comunidades ecológicas via estudo das formigas e trabalhou intensivamente para a mitigação de impactos da mineração naquele lado da Austrália, no Brasil e no mundo.

 

Em uma certa análise, seria possível comparar o seu momento de chegada a um novo centro universitário australiano, 30 anos atrás, com o nosso momento retardado de avanço das Universidades Federais para o interior e para as regiões Norte e Centro-Oeste (veja também o post “Existe Ciência no Brasil, só não é para aventureiros”

 http://sociobiolodia.blogs.sapo.pt/19434.html). Entretanto, ao contrário de nós, os pesquisadores australianos que empreitaram esta jornada da expansão não foram, até onde sei, punidos por seu pioneirismo como nós somos.

 

Casou-se com “Mazé” (Maria José Majer), também bióloga e mineira de Viçosa, o que fortaleceu seus laços “Gondwânicos”. Mais sobre Jonathan em

https://plus.google.com/106169072155921104744/about

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.