Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Corsário e a Ciência

Textos de divulgação científica e reflexões sobre Ecologia da Saúde, à luz da teoria evolutiva ultradarwinista:

O Corsário e a Ciência

Textos de divulgação científica e reflexões sobre Ecologia da Saúde, à luz da teoria evolutiva ultradarwinista:

03.03.13

Convite a biólogos para um protesto contra a derrubada de árvores centenárias dentro de uma cidade grande.


Sérvio Pontes Ribeiro

Caros amigos biólogos, considerem participar. E participando, tentem lembrar do valor real e mais amplo de uma árvore  na cidade. Ela é um ecossistema em miniatura. Árvores isoladas em pastos chegam a ter 60% das espécies de invertebrados da floresta. Estes invertebrados são predadores e doenças de nossas doenças, de nossas pragas. A maioria absoluta dos invertebrados que habitam árvores é inofensiva para a espécie humana ou são nossos "colaboradores". Tentem lembrar que uma árvore morta e devidamente jardinada é outro habitat particularmente importante na cidade. O Lorenzo Zanetti, em seu mestrado há mais de 10 anos, mostrou que as regiões da zona sul de BH, com mais árvores velhas, mesmo sendo as mais intensamente urbanizadas, tinha mais espécies raras de abelhas do que as áreas de campo aberto da Pampulha. Se forem lá, tentem ensinar às pessoas e resistir aos pareceres agrícolas sobre estas árvores formidáveis.

 

Lembre às pessoas, finalmente, que as tão queridas aves e passarinhos que encantaram a infância de nossos pais, dependem delas. Avisem a todos que os pardais invadiram os bairros degradados, mas que onde há árvores grandes em abundância, ainda há sabiás, tico-ticos, bem-te-vis, almas de gato e até corujas, que por sinal, comem ratos!

 

Tentem convencer a quem for, que precisamos delas. Se forem mortas, precisamos delas mortas lá, jardinadas, cobertas de orquídeas, arbustos e degraus para serem construídas na paisagem como um elemento da sucessão natural da vida. Lembrem que ver beleza ao envelhecer é fundamental em uma região hospitalar. E que cenários arborizados e sombreados também o são!

 

2 comentários

  • Um abraço Patrícia! Espero conseguir me liberar para ir amanhã, mas não é simples. Enfim, é isto aí! Vamos acabar com esta dendrofobia maluca que a sociedade cultiva...
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.