Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Corsário e a Ciência

Textos de divulgação científica e reflexões livres, à luz da teoria evolutiva ultradarwinista: uma análise sociobiológica aplicada ao dia a dia, senão meras divagações sobre as políticas científicas do Brasil!

O Corsário e a Ciência

Textos de divulgação científica e reflexões livres, à luz da teoria evolutiva ultradarwinista: uma análise sociobiológica aplicada ao dia a dia, senão meras divagações sobre as políticas científicas do Brasil!

24.12.12

Mensagem nervosa de solstício de verão à juventude, de coração (e repleta de palavrão).


Sérvio Pontes Ribeiro

Eu pertenço a uma geração que foi cunhada entre as canções contra a guerra do Vietnã, que, portanto entendeu o Rock e o Punk como movimentos libertários e pacifistas, por mais energia que liberassem; e a Madona, uma audaciosa mulher de grande porte e teor erótico explícito, que surgiu e aconteceu por libertar a mulher de suas repressões e abraçar a causa gay.  No meio destes dois mundos – um dito bom o outro nem tanto no universo musical progressivo -  criamos e vivemos músicos como Bono Vox, que convenceu Bill Clinton a anunciar o perdão de 100% das dívidas dos países mais pobres do mundo na virada do milênio.

 

Mas o fato é que a música refletia que a moçada dos 80 era muito para a cabeça de nossos pais e até de nossos filhos... até agora...

 

Distraidamente ligo a TV em um programa de videoclipe na hora do almoço, e vejo a Aguilhera nua sendo esfregada por vários dançarinos, depois de simular cenas de sexo na cama sobre um cara musculoso, em cortes rápidos, mas bastante explícitos para fazer a simulação de masturbação da Madona no seu mais famoso show, uma brincadeira infantil. Com os olhos arregalados, entra o próximo vídeo, que anuncia que “ou acabamos com a guerra ou ela acaba conosco...”, me fazendo sentir mais em casa. Espero... e vem um vídeo absolutamente escroto, tentando disfarçar uma apologia imbecil em defesa da guerra americana contra os confins do mundo. Um horror artístico e filosófico, fingindo um pacifismo hipócrita, fundamentado na vitória americana sobre os “outros”, num mundo induzido ao desastre por dois grupos fundamentalistas vitimáveis das piores doenças mentais: os Neo-cristãos americanos (já ouviram falar do livro “O inimigo vem do Norte”? Sobre movimentos Neo-evangélicos que foram financiados pela CIA para controlar a América Latina com base na conversão e erosão cultural?) e os mulçumanos radicais do oriente médio.

 

Abestalhado por aquela sequencia pavorosa de clipes, me vi obrigado a mandar uma mensagem aos jovens do ainda Terceiro mundo (que dinheiro, afinal, nunca foi tudo, ou coisa alguma):

 

Jovens, não se permitam idiotas. Vocês estão sendo manipulados da forma mais estúpida e infantil imaginável. Fomos manipulados também, claro, mas os métodos tinha um mínimo de sofisticação. A deterioração moral e cultural do mundo em desenvolvimento interessa aos gringos e outras forças imperialistas, e o mundo de hoje se mostra tão atrasado intelectualmente quanto era nas vésperas da Segunda Guerra Mundial. Não deixe este tipo de mensagem sectarista, venha ela do Oriente ou dos EUA, ou do cú de qualquer ditador manipulador, tomar conta de seus corações apaixonados. Raciocinem à frente de crerem, e se crerem em algo, creia de coração e em isolamento, sem que te imponham ódios que não são seus.

 

Mulher não é objeto sexual mesmo que opte por se comportar assim, e homens não são buchas apaixonadas e confusas de canhão em guerras alheias. Além disto, você não é dono de ninguém, nem deveria ter o direito de doar seu próprio corpo, seja para desvarios desamparados de afeto, nem para portar uma arma e matar o próximo por coisas que nem entende e nem quer para si.

 

Larguem de ser idiotas, mas me desculpem aqueles que não são e já perceberam estas tolices todas. Afinal, nos empurravam todo tipo de merda e não comíamos merda! O triste mesmo é ver que o mundo não mudou, e as relações culturais entre os povos ainda são moldadas pelo desejo de controle e domínio!

 

Ou seja, o mundo já esteve melhor, da segunda guerra para cá, do que é agora. O mundo esteve no eixo de mudanças importantes até 2003, e de lá para cá, tem piorado, moral e socialmente. Não pense que é a crise financeira, ela também me parece ser consequência de algo pior. Não deixem isto, não comprem a piora da civilização,e vivam para mudar este rumo para algo melhor.

Boas festas de solstício.

1 comentário

Comentar post